UFC SP

Acompanhe a cobertura do maior evento de mma na Voz do Esporte

por Guilherme Estevão, São Paulo - 26 de outubro de 2017

Por: Eric Filardi

O UFC Fight Nig ht 119 será um evento de MMA que acontecerá no dia 28 de outubro de 2017
(sábado), no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. A luta principal será no peso médio (até 84
kg) entre o norte-americano Derek Brunson e o brasileiro Lyoto Machida. Serão 12 lutas no
total, com brasileiros em todas elas.

CARD PRINCIPAL

BRUNSON x MACHIDA
Na luta principal do evento o dragão brasileiro Lyoto Machida vai enfrentar o americano
Derek Brunson após dois anos parado por doping. Lyoto é o tipo de lutador que não nega
luta, seja o adversário de maior expressão ou menor. Já desafiou Jon Jones, Chris Weidman,
Luke Rockhold, Yoel Romero, Randy Couture, Stephan Bonnar, Tito Ortiz, Maurício “Shogun”
Rua, Rich Franklin, BJ Penn, Rashad Evans, Dan Henderson, Gerard Mousasi e tantos outros.
Antes de doping havia perdido duas lutas, para Rockhold e Romero.
Vivendo de uma vitória aqui e outra acolá, o experiente lutador já foi campeão meio-pesado
do UFC, levou o prêmio de Nocaute da Noite (quatro vezes), Luta da Noite (duas vezes) e
Nocaute do Ano em 2011. Tem um estilo de luta único, é faixa preta 3º-dan de Caratê
Shotokan e o mistura com técnicas de esquiva, da qual fez sua característica contragolpeadora
uma arma letal. Também luta BJJ (Brazilian Jiu-Jítsu), Muay Thai e Sumô.
Já Brunson tem uma mistura mais comum de luta, Boxe, Wrestling, Muay Thai e BJJ. Uma
similaridade com o baiano é que não perde para qualquer um não. Seus reveses são contra
Kendall Grove, Ronaldo “Jacaré”, Yoel Romero, Robert Whittaker e Anderson Silva. Venceu sua
última luta contra o australiano Daniel Kelly, é número 7 no ranking dos médios do UFC e
busca subir mais um degrau para disputar o cinturão em breve. Tem 17 vitórias e 5 derrotas e
já faturou o prêmio de Luta da Noite uma vez, na derrota para o cubano Romero.

DEMIAN MAIA x COLBY COVINGTON

Na co-luta principal temos um duelo interessante. BJJ vs. Wrestling. O paulistano Demian Maia
é casca grossa para qualquer um enfrentar. Só foi nocauteado em uma única oportunidade.
Para vencer Demian tem que aguentar os 15 minutos ou 25 se for disputa de cinturão. Vem de
derrota para o americano Tyron Woodley, em luta válida pelo cinturão dos meio-médios, na
qual Woodley soube controlar as entradas do brasileiro e impedir seu jogo de chão. Antes
disto, Maia vinha de 7 vitórias seguidas. É listado como número 3 do ranking dos meio-médios
do UFC.
Demian detém os prêmios de Finalização da Noite (4 vezes), recorde do UFC, Performance da
Noite (duas vezes) e uma Luta da Noite.
O oponente da vez é o americano Colby “Caos” Covington, 10 anos mais jovem e perdeu
apenas uma vez na carreira, para o também brasileiro Warlley Alves. Mas, desde então, são 4
vitórias seguidas. Tem 6 finalizações no cartel, mas não deverá se arriscar no chão contra
quem é considerado o melhor Jiu-Jítsu da organização.

PEDRO MUNHOZ x ROB FONT

Um duelo interessante foi casado para esta luta. Atletas com o mesmo número de vitórias e
derrotas colocando em jogo uma vaga no Top 10 do ranking dos galos do UFC.
Pedro “ The Young Punisher” Munhoz, o “jovem justiceiro”, está de volta a São Paulo. Isto por
que o paulistano lutou no evento UFC Fight Night 100: Bader vs. Nogueira II, também no
Ginásio do Ibirapuera. Pedro não perde há três lutas e está cada vez melhor no UFC, tendo já
conseguido até um prêmio de Performance da Noite. Faixa preta de BJJ, Munhoz tem 8 vitórias
por finalização das 13 de seu cartel. É também ex-campeão dos galos do RFA (Resurrection
Fighting Alliance).
Com o mesmo número de vitórias do brasileiro, Rob Font é mais versátil que o adversário,
variando entre nocautes (6) e finalizações (4). Vem de duas vitórias seguidas e quer confirmar
a boa fase fora de casa. Font já foi campeão dos penas do CES MMA e no UFC levou um prêmio
de Performance da Noite.

FRANCISCO TRINALDO x JIM MILLER

A batalha que acontece nos pesos leves do UFC será entre dois veteranos. O brasileiro
Francisco “Massaranduba” Trinaldo com 21 vitórias e 5 derrotas e o americano Jim Miller com
28 vitórias e 10 derrotas. São estilos de luta diferentes. Enquanto o piauiense parte para a
trocação utilizando sua principal arte que é kickboxing, tendo 7 nocautes na carreira, Miller vai
mais para o lado do wrestling, jogando para o chão para trabalhar no Jiu-Jitsu, visto que tem
14 finalizações no currículo.
Massaranduba já foi campeão dos leves do Jungle Fight e já levou o prêmio de Luta da Noite
do UFC. Por outro lado, Jim está no Ultimate desde 2008 e acumula prêmios de Luta da Noite
(seis vezes), Finalização da Noite (duas vezes), Luta do Ano (2012) e ainda quebrou o recorde
de vitórias nos leves, em 2016, com 17 vitórias.
Ambos vêm de derrota para o UFC São Paulo e a luta será uma guerra pela “reabilitação”.
Trinaldo estava a 7 lutas sem perder até ir de encontro a Kevin Lee (número 7 no ranking dos
leves) e ser finalizado com um mata-leão. Já a fase de seu rival no UFC não é das melhores,
pois não vence há duas lutas.

THIAGO SANTOS x JACK HERMANSSON

A luta do brasileiro Thiago “Marreta” Santos era para ser contra o polonês Michal Materla, ex-
campeão dos médios do KSW (Konfrontacja Sztuk Walki) que negociava com o UFC para fazer a
luta principal do UFC Fight Night 118, na Polônia, mas preferiu renovar com o KSW. Sem
perder tempo, o UFC correu atrás de outro adversário e viu em Jack “The Joker” Hermansson
um rival em potencial para Marreta.
O carioca é ex-participante do TUF Brasil 2 e estreou na organização em 2013. De lá para cá
são 7 vitórias e 4 derrotas, sendo que vem de duas lutas bem-sucedidas, ambas por nocaute.
Oriundo do Muay Thai, Marreta faz lutas empolgantes e raramente deixa com que cheguem
nos juízes. Apenas 4 vezes suas vitórias foram para a decisão. São 9 nocautes e 1 finalização.
O brazuca vai enfrentar o coringa sueco, ex-campeão dos médios do Cage Warriors Fighting
Championship e que, assim como o rival, também vem de duas vitórias seguidas no UFC. É
outro que gosta de definir a luta. São 10 nocautes e 3 finalizações na carreira.
JOHN LINEKER x MARLON VERA

Está foi uma luta que custou a ser casada. Isto por que todos os adversários que o UFC
convidou para lutar contra o brasileiro John “Mãos de Pedra” Lineker em São Paulo,
“correram da luta”, se negaram a lutar no Brasil. Lineker afirmou que o motivo da recusa foi
por que a torcida brasileira faz muita pressão.
Mas Marlon “Chito” Veras aceitou o desafio. Será seu maior desafio na carreira até então, pois
não figura nem no Top 15 dos galos e enfrentará o 5º do ranking. O equatoriano vem de uma
boa sequência de três vitórias e dois prêmios de Performance da Noite, mostrando que não
quer ser só mais um.

Na esperança de recuperar o caminho da glória, Lineker luta contra um adversário
teoricamente mais fraco e em casa, o cenário perfeito para brilhar. O paranaense vinha de
ótima sequência de 6 lutas sem perder e seus feitos o credenciaram a lutar contra o americano
TJ Dillashaw pelo posto de desafiante ao cinturão dos galos do campeão Cody Garbrandt.
Perdeu por decisão unânime e despencou no ranking do UFC. O lutador de 27 anos é bem mais
experiente que o rival, tendo 27 anos, 29 vitórias e 8 derrotas, além de já ter sido campeão dos
galos do Jungle Fight e ter ganhado os prêmios de Luta da Noite (duas vezes) e Performance da
Noite.

CARD PRELIMINAR

VICENTE LUQUE x NIKO PRICE

O confronto era para ser entre o brasileiro Luan “Tarzan” Chagas e o americano Niko "The
Hybrid” Price, porém Luan fraturou o pé durante os treinos dando lugar ao americano
brasileiro Vicente "The Silent Assassin” Luque.
São 10 vitórias do “Híbrido” e um No Contest (luta sem resultado). No UFC foram 2 vitórias,
uma por nocaute e outra por finalização, além de já ter levado o prêmio de Luta da Noite. O
americano raramente deixa a luta chegar nas mãos dos juízes, sendo 7 nocautes, 2 finalizações
e apenas uma foi para a decisão dos árbitros.
Mas o “Assassino Silencioso” também sabe dar show. Já levou o prêmio de Desempenho da
Noite em duas oportunidades no UFC. Vem de derrota por decisão unânime contra o
jamaicano Leon Edwards, mas, antes disso, havia vencido as últimas 4 lutas, duas por
finalização e duas por nocaute. A luta deve ser boa e tudo pode acontecer. Duelo totalmente
aberto.

ANTÔNIO CARLOS JÚNIOR x JACK MARSHMAN

O brasileiro Antônio Carlos “Cara de Sapato” Júnior vem de 3 vitórias consecutivas na
organização. Seu último revés foi em março de 2016, quando perdeu para o australiano Dan
Kelly. No UFC desde maio de 2014, Cara de Sapato foi o campeão do TUF Brasil 3, onde na
final venceu o compatriota Vitor Miranda. Luta pela academia American Top Team, academia
dona de 3 cinturões no UFC (Joanna Jedrzejczyk nos palhas, Tyron Woodley nos meio-médios e
Amanda Nunes nos galos). Ainda novo no mundo do MMA, o paraibano tem 7 vitórias e 2
derrotas.
Representando o País de Gales, Jack “The Hammer” Marshman, o “Martelo”, teve boa estreia
no UFC em 2016 com um nocaute e levou o prêmio de Performance da noite. Perdeu para o
brasileiro Thiago “Marreta” no início de 2017, voltou ao caminho da vitória em julho e vai para
a terceira luta neste ano. É ex-campeão dos médios do Cage Warrior Fighting Championship (CWFC) e do BAMMA. Com a mesma idade do adversário, Marshman tem mais experiência
tendo 28 lutas em de cartel, sendo 22 vitórias e 6 derrotas.

HACRAN DIAS x JARED GORDON

Está é uma luta de recuperação para o brasileiro, enquanto o americano vem para se firmar
cada vez mais no UFC. Da Academia Nova União, mesma de José Aldo, Renan Barão, Claudinha
Gadelha e cia, vem o carioca Hacran “Barnabé” Dias, experiente lutador, com 23 vitórias, 5
derrotas e 1 empate, mas que não passa por um bom momento na franquia. Estreou em 2012
com vitória e ficou entre altos e baixos até 2016, quando teve um péssimo ano perdendo as
duas lutas que disputou. Oriundo do BJJ, não aposta apenas no Jiu-Jitsu para vencer. É versátil
e tem boa trocação, já tendo conseguido 3 nocautes na carreira. Nunca foi finalizado ou
nocauteado. É o 4º UFC dele no Brasil.
Seu adversário é o americano Jared “Flash” Gordon, que está em boa fase, tendo perdido
apenas uma luta na carreira contra 13 vitórias. Estreou no UFC Fight Night 112 – Chiesa vs. Lee,
em junho deste ano, com uma vitória de nocaute sobre Michel Quiñones. Se o povo brasileiro
descobrir a história de superação deste americano ficará difícil de torcer para o carioca.
Antes de ser campeão do leves do Duelo de Gigantes do México e dos penas do Cage Fury
Fighting Championship (este onde foi observado por Dana White que ficou impressionado com
a performance do garoto e o contratou), Gordon teve sérios problemas com as drogas e
tornou-se dependente químico aos 19 anos. Aos 21, era viciado em heroína; aos 23 anos, sem-
teto. Esteve 10 vezes na reabilitação e teve overdose em três oportunidades, chegando a ser
considerado morto por 2 minutos em 2015. Recuperado, luta, literalmente e diariamente
contra o vício e usa sua história como principal força dentro do octógono.

ELIZEU ZALESKI DOS SANTOS x MAX GRIFFIN

Este confronto tem tudo para ser equilibrado. Ambos são ex-campeões de outras organizações
de MMA e chegaram ao UFC como promessas de futuro campeões, mas tropeçaram logo na
estreia. O brasileiro Elizeu “Capoeira” Zaleski dos Santos debutou na principal franquia de
MMA no UFC Fight Night 67 – Condit vs. Alves, contra Nicolas Dalby e perdeu por decisão
dividida. De lá para cá não perdeu mais. Foram três lutas bem-sucedidas, com um cartel de 17
vitórias e 5 derrotas. Elizeu é garantia de boa luta. Além de ser ex-campeão meio-médio do
Jungle Fight, o paranaense tem 2 prêmios de Luta da Noite no UFC, em apenas quatro lutas
disputadas.
Seu rival é o americano Max “Pain” Griffin, “dor” em inglês, nada mais sugestivo para um
nocauteador como Griffin. São 7 nocautes em 13 vitórias, mais da metade. O “Pain” estreou no
UFC 202 – Diaz vs. McGregor 2, contra Colby Covington (que lutará no mesmo evento contra
Demian Maia) e perdeu por nocaute de socos no 3º round. Voltou 3 meses depois, no UFC
Fight Night 98 – Dos Anjos vs. Ferguson, e venceu o campeão do TUF América Latina 3, Erick
Montano por nocaute de socos. Lutaria UFC Fortaleza no início deste ano contra o brasileiro
Serginho Moraes, mas se lesionou e teve de adiar a vinda ao Brasil, que acontece agora frente
a “Capoeira”. O americano é campeão do West Coast Fighting Championship (WCFC) em duas
categorias diferentes, meio-médio (até 77,1 kg) e médio (até 84 kg).

CARD PRELIMINAR (UFC FIGHT PASS)

DEIVESON FIGUEIREDO x JARRED BROOKS

Este duelo tem tudo para ser uma das melhores lutas da noite, inclusive com premiação. Isto
por que será um confronto de “deuses”, digamos assim. Ambos estão invictos no MMA e
lutando pela segunda vez no maior torneio de artes marciais mistas do mundo, vão com tudo
querer mostrar trabalho. Em suas lutas mostram versatilidade, ora mostrando bom BJJ, ora
bem na trocação.
“Deus da Guerra”, o paraense Deiveson Figueiredo tem seis nocautes, cinco finalizações e
apenas uma decisão por pontos. Seu adversário, o americano Jarred “The Monkey”
Brooks, ou o “Deus Macaco”, tem dois nocautes, cinco finalizações e seis decisões por pontos.
Se houver favoritismo nesta luta é para o brasileiro, por contar com o apoio da torcida e por
raramente deixar a luta ir para a decisão, como diz o presidente do UFC Dana White: “Se você
não quer ser ferrado pelos juízes, não deixe a luta chegar até eles”.

MARCELO GOLM x CHRISTIAN COLOMBO

A luta inicialmente era para ser entre o brasileiro Carlos “Boi” Felipe e o dinamarquês Christian
“Godzilla” Colombo, mas baiano que está invicto no MMA, sofreu a primeira derrota na
carreira ao testar positivo para metabolitos de Stanozolol, 16β-Hidroxi Stanozolol e 3' Hidroxi

Stanozolol, e ser denunciado pela USADA (Agência Anti-Doping dos Estados Unidos) em teste
fora da competição no dia 29 de julho. Carlos Boi foi retirado do card do qual faria sua estreia
no UFC e teve uma suspensão de dois anos retroativa até a data da suspensão provisória. Para
seu lugar foi contratado outro novato, o compatriota Marcelo Golm.
O torcedor corintiano que for assistir ao evento terá um ótimo motivo para gritar “Vai
Corinthians”, isso por que Golm é atleta da Corinthians MMA e terá a responsabilidade de
abrir o card do UFC São Paulo contra Christian Colombo. O brasileiro tem apenas 5 lutas como
profissional, mas não são quaisquer lutas não. Venceu todas por nocaute no primeiro round.
Mas o paulista não terá vida fácil. Será a juventude contra a experiência. Colombo já tem 37
anos e possui um cartel de oito vitórias, duas derrotas e um empate. No UFC ainda não
venceu. Em sua última luta, perdeu para o brasileiro Luiz Henrique “KLB”, curiosamente no UFC Fight Night 100, também em São Paulo.

Twitter
Principais Veículos e Jornalistas

Mais Futebol

Ver Mais Posts
Rádio Ao Vivo